terça-feira, 28 de junho de 2011

Bruxaria Italiana

O que é?
A Bruxaria Italiana ou Stregheria é uma das diversas formas de religiosidade pagã praticadas na atualidade, também é conhecida como “Vecchia Religione”. A expressão antiga religião (ou velha religião) é muitas vezes utilizada como sinônimo para as crenças e práticas dessa religiosidade. Para alguns, existem vários tipos de adeptos da bruxaria italiana e por isso, surgiram definições distintas entre os termos Stregheria e Stregoneria. O termo Stregheria é usado para definir uma religião pagã iniciática com raízes nos antigos cultos pré-cristãos italianos. Já o termo Stregoneria define uma prática mágica desvinculada de qualquer religião, ou seja, é apenas a prática de bruxaria e feitiçaria, com influências italianas.
As Raízes
A stregheria possui raízes nos antigos cultos praticados na região da península itálica e do Mediterrâneo Antigo. Há mais ou menos 1.000 anos a.C, a região da atual Itália era dividida em diversos reinos, dominada por povos com cultos variados. O povo etrusco era um dos que habitavam a região, seus cultos foram profundamente influenciados pelos gregos e pelas práticas do período neolítico. Quando foram dominados pelos romanos, os etruscos repassaram essas influências gregas para os dominadores. Além dos etruscos, outros povos com cultos pagãos também habitavam a região. Toda essa diversidade de crenças convivendo em um só lugar fez da Roma Antiga um imenso caldeirão cultural e a Velha Religião italiana acabou herdando traços dessas religiosidades.
Os antigos adeptos do paganismo na Itália tinham como principais centros as regiões da Toscana (norte italiano) e Benevento (centro italiano), mas tudo isso mudou com a chegada da dominação cristã a Roma, quando o paganismo entrou em declínio e o cristianismo se tornou a religião dominante. Durante o período de perseguições da igreja, muitos pagãos e seguidores da vecchia religione continuaram com suas crenças, mas escondidos, transmitindo os conhecimentos ocultos a cada nova geração. Por esse motivo a stregheria também é conhecida por muitos como “bruxaria hereditária”, pois foi principalmente através das transmissões orais (dentro das famílias) que o paganismo italiano sobreviveu até os dias atuais.
Bruxaria Italiana saindo das Sombras
A partir dos últimos anos do século XIX a Stregheria começou a se popularizar através das publicações do folclorista inglês Charles G. Leland, que escreveu sobre esse tema nos livros Aradia, Il Vangelo delle Streghe Italiane e Etruscan and Roman Remains in Popular Tradition. As obras de Leland foram resultado de entrevistas com mulheres da Toscana, que afirmavam ser “streghe”, adeptas da Vecchia Religione. Uma dessas mulheres foi a strega Maddalena (foto à esquerda). O termo streghe significa bruxas em italiano. Depois das publicações de Leland, outros autores neo-pagãos também começaram a usar o termo vecchia religione como um sinônimo para a palavra italiana Stregoneria, que significa o mesmo que bruxaria. Atualmente há várias publicações abordando as práticas ligadas à stregoneria e alguns dos autores atuais mais conhecidos com publicações sobre o tema são Raven Grimassi, Carlo Ginzburg e Andrea Romanazzi.




Clãs e Subvertentes
Atualmente a stregheria pode ser considerada uma religiosidade bem heterogênea, com práticas, princípios e regras que podem variar de acordo com o grupo. Apesar de tantas particularidades, as linhas e subvertentes da stregheria têm aspectos em comum que as caracterizam como parte de um mesmo grupo. A maioria dos Clãs e grupos (também chamados de congregas) é politeísta, com um amplo panteão de divindades, geralmente greco-romanas ou etruscas. Também há clãs modernos da stregheria com práticas duoteístas, que centralizam seus cultos em duas divindades principais, um Deus e uma Deusa, representados por Diana e Dianus Lucifero.
Alguns stregoni e streghe (bruxos e bruxas) atuais fazem parte de grupos bem fechados, enquanto outros vivenciam solitariamente suas crenças e ritos. A iniciação é um requisito fundamental para que se ingresse em diversas tradições da stregheria, mas também existem clãs onde esse “rito de iniciação” nem sequer existe, já que surgiu a partir de influências da magia cerimonial. Muitos bruxos italianos herdam suas práticas da própria família, nesses casos a stregheria é vista geralmente como um “dom natural”, uma herança mágica de família. Quando a stregheria é transmitida de forma hereditária, é normal que as práticas e os ensinamentos se mantenham restritos à própria família, sendo que não se pode ingressar no culto a não ser que se faça parte da mesma.

A bruxaria italiana como um todo é um conjunto de práticas muito amplo, e por isso mesmo, surgem muitas confusões relacionadas a termos e conceitos. Enquanto há grupos cultuando deuses pagãos, também há streghe e stregoni que cultuam figuras cristãs, como santos católicos e até mesmo “demônios”. As ramificações existentes na stregheria são comumente chamadas de Clãs ou Tradições, cada uma com seu próprio conjunto de regras e preceitos. Algumas tradições atuais são a Aridiana e Ariciana (ambas fundadas por Raven Grimassi). Além dessas também existe a benedicária (caracterizada pelo culto a santos católicos) e outras tradições hereditárias e familiares. Em diversos dialetos italianos existem palavras usadas como sinônimos para “streghe”, Animulare, Tanarra, Janare, Strie, Strighe, Borde, Magare, Majare, Cogas, Masche e Basure são apenas algumas delas.

A Tradição Italiana é identificada como a Vecchia Religione, mas esse é um termo que compreende uma grande variedade de vertentes pagãs com raízes nos cultos pré cristãos da Itália. Por isso é importante perceber a riqueza cultural e a diversidade de cultos existentes. Com base em tudo o que conheço, eu dividiria a tradição italiana atual em dois grandes grupos. São eles:

*Culto de Arádia: Identificada como Stregheria. Nessa vertente a Deusa Diana é reconhecida como Regina delle Streghe, ou Rainha das Bruxas. Já Arádia é reconhecida com sua filha, responsável pela disseminação da bruxaria na Terra.

*Streghe del focolare (Bruxas de casa): São pessoas que praticam a bruxaria em sua própria terra, solitáriamente ou em família, concentrando-se em práticas mágicas como herbologia e divinações. Pouco difundida nas regiões urbanas. Algumas streghe desse grupo mesclam elementos católicos em suas crenças e práticas.


Crenças, Práticas e Festivais
O conjunto de conhecimentos da Stregoneria é chamado de “mistérios stregonesci” e são resultados de influências etruscas e romanas (como já foi dito, o povo romano entrou em contato com diversos outros povos, que por sua vez influenciaram muito as crenças das streghe). Muitos rituais têm como finalidade a conexão com antigos Deuses para a obtenção de curas, fertilidade, cura de malocchio (mau olhado em italiano), boa fortuna. Também existem feitiços e ritos destinados a vingança e magia negra contra inimigos.
Assim como na wicca moderna e na maioria das religiosidades pagãs, são comemorados ritos solares e lunares, ligados às estações do ano e a ciclos agrícolas. Os principais festivais comemorados são oito, correspondentes aos ciclos solares (Solstizio d’Inverno; Candelora; Equinozio di Primavera; Calendimaggio; Solstizio d’Estate; Festa del Raccolto; Equinozio d’Autunno e Festa dell’Ombra). Os mistérios stregonesci são transmitidos aos membros do clã geralmente durante essas celebrações, mais comumente durante a Lua Cheia.
Entre a maior parte dos grupos é comum a crença nos “dons mágicos”, ou seja, poderes sobrenaturais herdados pelo bruxo, que podem ser usados tanto para o bem como para o mal. O poder de fascinação é um desses dons, é uma capacidade que o bruxo tem para encantar apenas com o olhar. Aos Stregoni são atribuídas as capacidades de lançar bênçãos e maldições, realizar curas com ervas e feitiços, proteger contra magia negra, dentre outras coisas.

Um comentário:

André Sonegheti disse...

Essa coisa de bênçãos e maldições está mais ligada à feitiçaria judaica... no geral o resto está bem delimitado...

A bíblia cita que Moisés dividiu as 12 tribos em 2 grupos de 6, um sobre o monte Ebal para abençoar e outro sobre o monte Garizim para amaldiçoar.

Muitas pessoas que adentram o politeísmo mas não conseguem abandonar conceitos cristãos, tratam-no como os monoteístas, como paganismo, ou seja, como uma heresia... e quando se deparam com tradições bruxas politeístas... logo tratam a bruxaria também como heresia... os mistérios da bruxaria vão além de adoração ou culto, além da herbologia, e principalmente muito além de bênçãos e maldições... mas mistérios são mistérios, claro... e só se entendem vivenciando... além de que alguns são secretos.

E além dessa distinção entre stregheria e stregoneria... alguns autores ainda tentam diferenciá-las da bruxaria... logo não as definiriam como bruxaria italiana e nem magia italiana, como eu particularmente faço uma distinção entre magia e bruxaria... e entre bruxaria e feitiçaria... mas essa é outra história...