quarta-feira, 20 de novembro de 2013

A Corrente da Terra no Paganismo Piaga

A tradição pagã piaga se caracteriza pelo politeísmo e conexão com os ciclos da natureza, mas se diferencia de outras vertentes pagãs “importadas sem adaptação” pelo fato de nutrir uma conexão com as entidades espirituais nativas da terra. Os cultos “neopiagas” são divididos em dois grupos, ou correntes, denominadas: Corrente da Terra e Corrente Colona.

Na Corrente Colona estão englobados todos os cultos pagãos com raízes estrangeiras, ou seja, são cultuadas divindades e entidades dos panteões grego, romano, nórdico, eslavo, dentre outras. São cultos que assumem caráter mais particular e pessoal dentro das celebrações comunitárias, ou seja, enquanto um adepto pode ter afinidade especificamente por um panteão dessa corrente, pode ser que não dedique um culto pessoal a divindades de outro grupo de Deuses. 

É mais ou menos o que ocorre no catolicismo, que possui vários santos, mas cada devoto escolhe aqueles de sua preferência. Na Corrente da Terra estão englobados os cultos a divindades e entidades espirituais nativas do Brasil. Essa linha se subdivide em quatro linhas, são elas:

- Linha Piaga
- Linha do Culto Índio
- Linha dos Encantados
- Linha dos Deuses Nativos



A seguir, vamos conhecer um pouco melhor sobre cada uma dessas linhas, incluindo as entidades que fazem parte de cada uma delas.

1. LINHA PIAGA

Nessa linha são cultuadas as entidades legitimamente piagas, ou seja, espíritos guardiões da terra e ancestrais espirituais que foram registrados em pinturas rupestres, lendas e na cultura popular. Como exemplo de entidades da linha piaga, temos:

* Piaga-Alado; Piaga-Guerreiro; Sereia-Piaga; Carnaúba-Sagrada; Cabeça-de-Cuia; Barba-Ruiva; etc.
Piaga Alado (Registro rupestre de Sete Cidades/PI)
Sereia Piaga (Registro rupestre de Castelo do Piauí/PI)


2. LINHA DO CULTO ÍNDIO
Representação de Caboclo realizando cura

Nessa linha são cultuados apenas espíritos de caboclos, pajés e índios. São espíritos de civilizações ameríndias primitivas, que por sua elevação espiritual, vêm ao mundo dos vivos para ajudar, curar, compartilhar conhecimentos e guiar na jornada que aproxima o homem da natureza. 

Alguns desses espíritos também são cultuados em outras religiões, como no catimbó, na encantaria, no candomblé e na umbanda, mas no paganismo piaga se rompe com as influências cristãs e não há incorporação direta. Como exemplos de entidades dessa linha, temos:

* Cabocla-Jurema; Caboclo-Sete-Flechas; Caboclo-Tupinambá; Cabocla-Iara; Caboclo-caçador; etc.


3. LINHA DOS ENCANTADOS

Os encantados são espíritos da natureza que são estudados e honrados nessa linha. Apesar da natureza punitiva de alguns desses seres, os “neopiagas” acreditam na importância de conhecê-los e apaziguá-los. 

Boto, entidade dos rios amazônicos
Alguns podem se aproximar do homem e fazer amizade, enquanto alguns preferem manter distância, vivendo nas matas, rios e zonas afastadas da natureza. Esses espíritos não são Deuses, mas sim criaturas que atuam como guardiões da natureza. 

Para quem não os conhece, inicialmente são energias misteriosas e difíceis de serem definidas. Os encantados podem ser até mesmo antepassados que, enquanto estavam vivos, se transformaram e se tornaram parte da natureza, sem a necessidade de passar por uma “morte” física. 

Na linha dos encantados temos várias subdivisões, como: encantados da mata; encantados dos rios; encantados das ruas; etc. Como exemplo de entidades da linha dos encantados, temos:

* Boto; Matintaperera; boiadeiros; Saci-pererê; malandros; príncipes e princesas; ninfas; elementais; etc.


4. LINHA DOS DEUSES NATIVOS

Na linha dos Deuses Nativos são cultuadas divindades de panteões indígenas brasileiros. 
Não são espíritos comuns, mas sim Deuses, estando acima dos espíritos comuns e dos encantados, na hierarquia piaga. Entre alguns Deuses nativos, temos:

* Jurupari; Angra; Guaraci; Anhangá; Yara; Monã; Rudá; Teju Jagua; etc.


Como ocorrem os cultos a essas entidades e divindades?

No paganismo piaga há determinações que valem para todos os cultos, sejam a entidades de linhas da Corrente Colona ou da Corrente da Terra. Essas determinações são relativas a regras que devem ser seguidas pelos adeptos e entidades nos momentos de culto. Alguns desses preceitos são:

Altar Piaga
- A troca de energia entre homens e entidades nos cultos piagas é feita através de cânticos devocionais, oferendas e representações por parte dos homens. Por parte das entidades, as mesmas se fazem presentes para trazer cura, bênçãos e conhecimento.

- Não há incorporação direta durante os ritos piagas, o que pode acontecer é apenas manifestação de energia das entidades através de inspirações, conhecimentos revelados e visões. Não ocorrem possessões ou perda de consciência. Os espíritos trabalham em sintonia e harmonia com os médiuns e sacerdotes, sem domínio sob o corpo dos mesmos.

Oferendas de frutas
- Não há sacrifício animal direto nos ritos piagas, mas em casos específicos podem existir oferendas compostas por elementos de origem animal, como penas, ovos, mel e outros. As oferendas mais comuns são velas, frutas, pães, folhas e flores e coisas naturais, biodegradáveis. Em alguns casos, alimentos são oferecidos aos espíritos e divindades, sendo compartilhado ao final dos ritos, entre os presentes.

Ritual Piaga de Purificação
- Os ritos podem ser realizados com intenções variadas, como por exemplo, cura, devoção, limpeza espiritual, fertilidade ou prosperidade, mas ritos com intenções de provocar malefícios ou amarrações vão contra a ética do caminho piaga, já que a principal meta dos adeptos é a evolução espiritual em harmonia com a natureza.



2 comentários:

Fábio Alves disse...

Gostei muito deste artigo.

Espero que os neopagãos brasileiros aprendam cada vez mais a valorizar as divindades e os gênios da nossa própria terra.

Conselho dos 144.000 disse...

Lindo esse movimento, este ritualismo sagrado à mãe Terra. O nosso Piauí é um verdadeiro centro de luz nesse sentido, berço do xamanismo piaga. Saudações solares!